O Guri de Uruguaiana

Marcelo Spalding

Que humor combina com teatro, todo mundo já sabe, mas tem chamado a atenção a quantidade de humoristas capazes de levar multidões aos teatros no Rio Grande do Sul. Os exemplos de André Damasceno e dos Homens de Perto já são conhecidos, mas nem só os globais atraem público, e que o diga Jair Kobe, o Guri de Uruguaiana.

Sua temporada recém terminada na AMRIGS teve casa cheia, fila de espera, sessões extras, repetindo o sucesso de outras vezes e comprovando a predilação dos gaúchos pelas comédias.

A peça é uma mescla de musical com programa de auditório e stand-up comedy, em que o humor de algumas piadas prontas se alterna com quadros como a aula de chula, muita interatividade com o público e as famosas - e impagáveis - versões do Canto Alegretense.

Para o que se propõe, o espetáculo funciona muito bem, arrancando risadas soltas do público o tempo todo. Mesmo as piadas mais conhecidas ganham novo tom no sotaque e no figurino de Kobe, que conseguiu criar um personagem cômico sem ser um simples alter-ego.

O Guri, mais do que uma fantasia, é a reconstrução da tipologia do gaúcho, é a mescla de um discurso tradicionalista e outro moderno, tecnológico, é a valorização da diversidade dentro de um contexto cultural muito específico (funciona muito bem, nesse sentido, a ideia do gaúcho emo Licurgo, que aliás poderia ser melhor explorado ao longo da peça). Sem cair na ridicularização da figura do gaúcho nem na igualmente ridícula ideia de superioridade, o Guri explora temas universais como as relações familiares, os conflitos entre as gerações e os discutíveis gostos da indústria cultural. Mas sempre com humor e sem esquecer do seu papel ali: fazer rir.

Engana-se, porém, quem pensa que uma peça como essa requer apenas um personagem, um microfone e violão. A produção do Guri de Uruguaiana é impressionante, com cenários, objetos preparados para serem usados apenas uma ou duas vezes, coadjuvantes a postos para subir ao palco em uma ou outra cena e sempre um artista convidado que participa de uma espécie de talk-show com o Guri (aliás, na noite em que assisti fui surpreendido pela voz e pelo talento de Daniel Torres, que conhecia só de nome; sua interpretação de "Solo le pido a Dios" foi de emocionar).

Nesse sentido, a versão de Thriller recém criada para O Guri de Uruguaiana é um exemplo do enorme trabalho de produção, pois envolve mais de uma dezena de coadjuvantes, jogo de luz, gelo seco e fantasias impecáveis. Pena que seja executada fora de contexto na peça, como uma espécie de bis, e em playback.

Para terminar, fique com um vídeo postado no YouTube pelo próprio humorista, que, aliás, sabe como poucos explorar a rede mundial de computadores e se aproveitar (ou ironizar) a predileção dos internautas por bobagens.

 

Comentários:

Oi Marcelo! Já fomos apresentados, mas provavelmente não te recordas.

Estou morando em Brasília desde 2006, mas não deixo de acompanhar o movimento cultural gaúcho. Sou bairrista mesmo!

Dei muitas risadas com o Guri de Uruguaiana! E, de fato, a interpretação do Daniel Torres para Solo le pido a Dios e Yolanda foi emocionante.

Aproveito para desejar ainda mais sucesso no teu trabalho!

Abraço
Paula, Brasília/DF 30/09/2009 - 12:25

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "191409" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar

Reprodução liberada desde que citada a autoria | Site desenvolvido pela wwsites - sites para escritores

DEPOIMENTOS

"Eu realmente gostei bastante da conversa naquele dia e da sua apresentação. Você não só sabe se expressar muito bem como tem um dom natural para o humor, não sei se alguém já te falou isso. Ainda assim, o mais legal de tudo é o seu trabalho. Não é o que eu estou acostumada a ver. É todo o ano a mesma coisa: livro de mistério, livro de romance e blá blá blá. Já, com você, foi diferente. O que faz a diferença é o que estás trazendo e como realiza isso: é simplesmente incrível. Você conseguiu abrir a mente de muitas pessoas naquele dia, e quero que continue assim. Com certeza eu gastarei os meus R$30,00 do nosso vale-livro com uma de suas obras."

Yasmin Ruppenthal
13 anos

mais depoimentos


Agendamento para 2018 disponível no RS